Archive for the ‘grupo’ Category

Autonomia Cibernética | Emoção Art.ficial 5.0

29/03/2011

A boa arte tecnológica tem ainda essencialidade e eficácia: só poderia ser realizada assim e com esses meios. (…) [A] arte não é o mundo e não explica o mundo, mesmo quando embaralha dados factuais. Sem dúvida os meios determinam o modo como ela se constitui e é revelada, mas eles continuam no seu papel, que é o de mediar o sentido. Por isso mesmo a boa arte tecnológica não necessita se apresentar recoberta por um discurso excessivamente técnico. (Arlindo Machado)

Chegou aqui em casa o belo (e verde) catálogo da exposição Autonomia Cibernética, da qual participamos com o Projeto Amoreiras, no ano passado (2010), no Itaú Cultural. Esta foi a quinta edição da bienal internacional de arte e tecnologia – Emoção Art.ficial.

O catálogo tem 192 páginas e está cheio de belas fotos, gráficos e textos interessantes relacionados ao tema da bienal, que contou com trabalhos como Evolved Virtual Creatures (Karl Sims, 1884), Metacampo (SCIARTS, 2010) e o nosso próprio Projeto Amoreiras (Grupo Poéticas Digitais, 2010) – há ótimos vídeos apresentando estes e outros trabalhos na própria página da bienal, aqui.

  • Assista o vídeo sobre o Projeto Amoreiras.
  • Visite o blog do Grupo Poéticas Digitais.
  • Leia um post anterior neste blog sobre a exposição.

Desluz na Galeria Expandida

10/04/2010

O projeto Desluz está na Galeria Luciana Brito, como parte da exposição Galeria Expandida, d2 5 a 20/4. A curadoria é de Christine Melo.

Para mais informações sobre o Desluz, confira os demais posts no blog sobre o projeto (clique aqui).

Leia o restante do post

Amoreiras no Emoção Art.ficial 5.0

19/03/2010

Amoreiras - Grupo Poéticas Digitais ECA/USP

Amoreiras é um projeto sobre autonomia, aprendizado artificial, natureza e meio ambiente. Os atores principais são cinco novas árvores na Avenida Paulista, centro cultural e econômico de São Paulo.

O projeto Amoreiras, que estamos desenvolvendo no Grupo Poéticas Digitais (ECA/USP), fará parte da exposição Emoção Art.ficial 5.0, cujo tema este ano é “autonomia”.

Direto do site do Itaú Cultural:

Quatro propostas foram escolhidas para participar da próxima bienal de arte e tecnologia do Itaú Cultural. Os quatro projetos eleitos, dos 95 inscritos na chamada de trabalhos, irão se juntar a outras obras internacionais para compor a exposição Emoção Art.ficial 5.0, que estreia em julho na sede do Itaú Cultural, em São Paulo. Arlindo Machado e Regina Silveira foram responsáveis pela seleção dos trabalhos, que serão produzidos pelo instituto.

Entre os demais selecionados estão Lali Krotoszynski (ballet digitallique), o SCIArts (MetaCampo) e Tania Fraga (Caracolomobile).

Conheça os trabalhos selecionados para o Emoção Art.ficial 5.0

Quatro propostas foram escolhidas para participar da próxima bienal de arte e tecnologia do Itaú Cultural

Os quatro projetos eleitos, dos 95 inscritos na chamada de trabalhos, irão se juntar a outras obras internacionais para compor a exposição Emoção Art.ficial 5.0, que estreia em julho na sede do Itaú Cultural, em São Paulo.

Arlindo Machado e Regina Silveira foram responsáveis pela seleção dos trabalhos, que serão produzidos pelo instituto. Conheça os selecionados:

Lali Krotoszynski
Obra: ballet digitallique

Grupo Poéticas Digitais
Obra: Projeto Amoreiras

SCIArts
Obra: MetaCampo

Tania Fraga
Obra: Caracolomobile

Marginalia Project

19/02/2010

Marginalia Project é um grupo com laboratório sediado no Labmídia, no Departamento de Comunicação Social da UFMG. Realizam projetos diversos em arte e tecnologia, incluindo performances, mídias móveis, vídeo e inteligência artificial.

Cheguei ao site deles via google. Me interessaram especialmente os seus projetos Generator e Furniture Processing, que consistem no desenvolvimento de aplicativos para criação de roupas e móveis em colaboração com a máquina.

Direto do site do grupo (grifos meus):

Generator é um software de modelagem de indumentária, onde máquina e criador invertem papéis e criam uma relação de dependência mútua, na qual as funções desempenhadas por cada um perdem sentido quando isoladas. Partindo de uma modelagem inicial básica produzida digitalmente pelo criador (seja ela uma parte de cima, um vestido ou uma calça), a máquina gera deformações infinitas que resultarão em novas formas. Essas formas serão por fim trabalhadas novamente pelo criador, responsável pela união das partes recortadas em tecido e por transformar a modelagem plana em um objeto tridimensional único.

(…) Furniture Processing consiste em desenvolver uma interface [para o design de] peças de mobiliário que respondam as demandas individuais dos usuários. Aliada à parâmetros que serão preenchidos pelo usuário, tais como relações ergonométricas, estruturais e de acabamento, a idéia é gerar uma peça única para cada um. A visualização será tridimensional na tela do computador e passível de ser construída através de técnicas de fabricação digital tais como corte CNC (computer numeric controlled) e prototipagem rápida.

www.marginaliaproject.com
marginalia project lab