Archive for the ‘entrevista’ Category

Harold Cohen sobre Arte e Máquina (1978)

19/03/2010

Harold Cohen

Harold Cohen é um artista que passou da pintura à arte computacional e produziu trabalhos bem interessantes, como o Aaron, um software que “cria pinturas“, e um robô que desenha (mostrado na imagem acima).

Separei alguns trechos de uma entrevista com ele realizada por Moira Roth para a publicação Art in America, em 1978. Seu discurso é bem rico e inspirador, principalmente pelas suas reflexões a respeito da arte computacional e da arte de uma maneira geral.

O  interesse de Cohen é a mente criativa, não a máquina. Para ele, a máquina é apenas um meio ou ferramenta.

The machine is interesting to me for just one reason. It makes it possible to model certain aspects of the human mind. I am concerned with how human beings work. I am not much concerned with how machines work. (…) I really think of myself as a humanist in a very old fashioned sense. (pg 106)

Leia mais…

Anúncios

Conte com o Digital

14/03/2010

No Estadão de hoje saiu uma entrevista com Umberto Eco, tratando principalmente do seu novo livro Não Contem com o Fim do Livro (co-autoria com Jean-Claude Carrière, Editora Record).

Minha impressão desta entrevista é de que Eco sugere um conflito desnecessário entre o físico e o digital, e que acaba indo contra o próprio processo que ele busca defender – a evolução na produção, armazenamento, difusão e recepção do conhecimento.

Leia mais…

Nick Montfort: poesia procedural

25/02/2010

Entrevista interessante com Nick Montfort, falando sobre o seu projeto de poesia procedural, ppg256.

Assista aqui (youtube, ~5min).

Trecho:

I’m not trying to create cognition that is like human cognition. I’m not trying to simulate the way that people think. But I am trying to create language in a way that is provocative, that is really interesting to people, that makes them think in new ways. And I’m trying to uncover things about the english language that we wouldn’t find even by doing very sofisticated computation linguistic sort of work. So it’s a project that is envolved with the poetic use of the computer – how to create something interesting with the computer and how to write a program that itself produces something interesting as an output.

(transcrição minha – início em 3:19)

O Músico Computadorizado

18/02/2010

Seguem alguns trechos de duas entrevistas originalmente publicadas na revista COMPUTE!, em 1986, sobre sintetizadores e o uso de computadores na composição  musical. Os entrevistados são Wendy Carlos e Frank Zappa, e as entrevistas foram conduzidas por Kathy Yakal.

Wendy Carlos, uma das pioneiras na música eletrônica (ou “pioneiro”, já que quando começou a colaborar no desenvolvimento dos sintetizadores Moog me parece que seu nome ainda era Walter), compôs e produziu a trilha sonora de filmes como A Clockwork Orange e Tron.

Sobre controle x criatividade (grifo meu):

If you have a machine that gives the pilot of a plane the ability to move every molecule on the surface of the plane, the pilot will probably crash the plane because there’s too much there to control – it’s overwhelming. Whereas if you have an automatic pilot with a lot of automatic features, the pilot has very little to do, and there’s very little difference from one flight to another because it’s almost automatic. (…) Somewhere in-between is where we stand with synthetizers.

Leia o resto…