Conte com o Digital

No Estadão de hoje saiu uma entrevista com Umberto Eco, tratando principalmente do seu novo livro Não Contem com o Fim do Livro (co-autoria com Jean-Claude Carrière, Editora Record).

Minha impressão desta entrevista é de que Eco sugere um conflito desnecessário entre o físico e o digital, e que acaba indo contra o próprio processo que ele busca defender – a evolução na produção, armazenamento, difusão e recepção do conhecimento.

Eco afirma que o digital, além de durar menos que o papel,  põe em risco a memória humana. De fato, estes “riscos” são reais, assim como foram arriscados todos os outros momentos da história nos quais o ser humano escolheu exteriorizar parte dos seus processos mentais para fora do corpo.

Não discordo que “[c]onhecer o passado é importante para traçar o futuro”, como Eco afirma. Porisso mesmo a importância de abrir a cabeça às possibilidades trazidas pela tecnologia, que tem o potencial de nos permitir conhecer o mundo de novas maneiras (somando, não sobrepondo-se às formas anteriores).

É essencial considerar o numérico não apenas pelo que ele simula, mas pelo que traz de novo. Como exemplos, posso citar as novas tecnologias de visualização de dados, que permitem novas formas de lidar com informação (especialmente em grande quantidade), e a abordagem procedimental ao conhecimento, a partir de modelos dinâmicos e interativos (em oposição ao texto em papel, estático e imutável). Estas tecnologias não são maiores e nem menores que a escrita defendida por Eco – dão continuidade a ela.

Eco já escreveu sobre a relação entre o físico e o virtual antes, porém de uma maneira um pouco menos parcial, relatando a “trágica” história da sucessão das mídias (a escrita matando a memória, o livro matando a catedral, a televisão matando o livro…) e argumentando pela necessidade de uma convivência entre o físico e o digital. Um ótimo argumento pela preservação do livro é o que ele chama de “beleza trágica” do texto fechado. Uma vez pronto, o livro torna-se definitivo – um conceito praticamente alienígena às novas gerações, e certamente digno de preservação. Sua reflexão sobre o digital, porém, se resume ao hipertexto, que apenas arranha a superfície do real poder do numérico.

Em tempo: faço esta análise de maneira pessoal e informal (afinal, isto é um blog), com base em uma entrevista breve e certamente tendenciosa (por exemplo, a primeira pergunta é: “O livro não está condenado, como apregoam os adoradores das novas tecnologias?”). Certamente a leitura do livro – seja ela feita em formato impresso ou digital – deve completar muitas lacunas e esclarecer muitas dúvidas.

Além do mais, vale considerar que mesmo os teóricos mais consagrados e rigorosos também tem suas paixões e preferências – “Eco é um colecionador nato; além de livros, gosta também de selos, cartões-postais, rolhas de champanhe (…)”

Tags: , , ,

2 Respostas to “Conte com o Digital”

  1. aureliox Says:

    Não vejo, nesta entrevista, Eco condenar o livro virtual. A mim parece que mantém a mesma posição do texto “menos parcial” citado.

    Acredito que a crítica de Eco, ou melhor, a sua opinião favorável ao livro de papel em relaçao ao livro eletrônico é relativa à confiabilidade deles enquanto suportes do texto. Quer dizer, para Eco um livro de papel ainda é (e ele diz “ainda”) o suporte mais eficiente de um texto. O livro permanece imutável durante séculos realizando com perfeição a sua função, assim como a tesoura ou o martelo. Já os suportes eletrônicos/virtuais de armazenagem tendem a mudar rapidamente, tornando-se obsoletos em poucos anos. como o disquete.

    Então, mesmo que seja importante a virtualização dos os acervos afim de os tornar mais acessíveis ao grande público, por meio da internet – iniciativa que Eco certamente apoia – não é possível ainda pensar em substituir os livros de papel por outros suportes.

    A questão levantada por você sobre as novas possibilidades de leitura e interação oferecidas pelas diversas mídias pertencentes à rede não foi considerada pelo Eco na entrevista (talvez devesse ter mencionado algo ao falar da internet). Mas certamente ele não estará alheio às vantagens oferecidas por essas mídias, como fica evidente no texto que fala sobre o físico e o virtual.

  2. maquinacriadora Says:

    Entendi! Pois é, como eu não li o livro imaginei que eu poderia estar deixando de considerar algo mesmo. Valeu pelo comentário!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: